Streets of fire: African urban musics between resiliencies and insurgencies

marrabenta2T

he identity process in contemporary African cities handles ambivalently with their sounds. Paradoxically, in the globalization process, detraditionalization sensitive have been reveals the local specificities. So we can ask if rhythms and musical groups in Africa are forms of resistance and insurgency
Assuming that music is a way of collective experience and the redefinition of space, the aim of this panel is to examine the meanings of discourses and practices on African urban music to identify cultural identity and dynamic processes of resistance.
We aims critically interrogate the analytical categories of social science and its institutional political dimensions through looking at the heritage processes of urban music of the African diaspora in crossing to the musical performance practices in Africa.
Thus, we propose analyze cases of patrimonialization fado in Portugal and samba in Brazil, in comparison with the practices of Semba in Angola, and Marrabenta in Mozambique, as phenomena of social emancipation.
We propose to look at the performing grammars of resistance and its equity adjustment from its scholarly, ethnographic and sociological construction, to interrogate the political dimension of African musical expressions and the black diaspora.

A construção das narrativas identitárias nas cidades contemporâneas lida de modo ambivalente com as suas sonoridades. Paradoxalmente a destradicionalização do sensível nos processos de globalização vem vindo a afirmar a dimensão das especificidades locais.
Partindo da hipótese de que a música é um elemento activo na construção de uma experiência coletiva e na ressignificação do espaço, o objectivo deste painel é analisar os significados dos discursos e das práticas sobre as músicas urbanas para identificar processos identitários e dinâmicas culturais.
Procuramos interrogar criticamente as categorias analíticas das ciências sociais e as suas dimensões político institucionais através do olhar para os processos de patrimonialização das músicas urbanas em cruzamento com as suas práticas performativas. Analisar casos da patrimonialização do fado e do samba, em confronto com as práticas do semba e da marrabenta como fenómenos de emancipação social.
Propomos olhar para as gramáticas performativas e os seus ajustamento patrimoniais, a partir da sua construção erudita, etnográfica e sociológica, para interrogar a dimensão política das expressões musicais como processo de acção da afirmação e relação geracional e a catalização de modos de estar e de construção de saberes Procuramos analisar os limites dos processos de patrimionialização como produtores de inovação cultural na construção das identidades urbanas.

Call for proposal open untill 8 january aqui

Convenors:

Anúncios