A comunidade cigana e o trabalho

Raquel Varela

Há problemas graves com a comunidade cigana, não será André Ventura a resolvê-los. Isso só poderá ser feito com a comunidade cigana envolvida. Mas não tenhamos ilusões, quando só 2,5% da comunidade termina o ensino secundário a comunidade está afastada da produção, na sua maioria, e isso é um problema sério, nesta comunidade e em todas porque quem trabalha não gosta que outros não trabalhem. O debate aqui não é se os pequenos roubam menos do que os grandes, é evidente que não suportamos como sociedade a recapitalização da CGD em 5 mil milhões, e poderíamos sustentar 40 a 60 mil pessoas a viver do RSI por centenas de anos. Mas seria errado. Porque não é de economia que falamos, mas de política. E de moral. Todos temos obrigação, excepto crianças, idosos e pessoas com problemas de saúde, de contribuir para a produção em sociedade, e hoje na comunidade cigana…

View original post mais 95 palavras

Anúncios

Nós No Cabelo – Testemunho de Jéssica Silva

Desfrisei o meu cabelo pela primeira vez quando tinha cerca de 11/12 anos, não me lembro bem da idade, mas lembro-me que foi porque umas amigas minhas tinham “relaxado” o cabelo (aquela espécie de desfriso mais fraco que passado uns tempos parece que o cabelo volta ao normal) e eu era a única com o dito “cabelo bedjo” no grupo de amigas, então decidi pedir à minha mãe para me o desfrisar. Ela não queria, mas depois de muito insistir ela lá me fez a vontade. Foi uma das piores decisões de sempre, pois o meu cabelo até era saudável, estava grandinho porque a minha mãe tratava bem dele e nem sequer era assim tão dito “bedjo”. Depois de desfrisar, o meu cabelo começou a partir imenso, principalmente na parte de trás da cabeça, e foi por volta dessa altura (12/13 anos por aí) que comecei a usar postiço, pois…

View original post mais 422 palavras

CONTAR – Festival de Contos do Mundo – 22 a 27 de Agosto

Palavras Andarilhas

Quando as palavras chegam de toda a parte!

Entre 22 e 27 de Agosto de 2017, o CONTAR – Festival de contos do MUNDO faz-se ANDARILHO. Parte da Biblioteca, percorre a mouraria, o PAX JULIA e instala-se no Hospital da Misericórdia. Na segunda edição, a parceria entre a CMB e a Ouvir e Contar – Associação de Contadores de Histórias alarga-se à Santa Casa da Misericórdia de Beja que abre as portas da sua CASA – O Hospital da Misericórdia – para acolher todos os que gostam de ouvir e contar histórias.

Em Beja a cidade dos contos!

View original post

500 anos da Reforma de Lutero: sua relevância para a libertação dos oprimidos

Leonardo Boff

        Ao celebrarmos os 500 anos da Reforma Protestante de Lutero cabe considerar sua importância para o nosso tempo latino-americano e mundial. Face às opressões histórico-sociais, as várias Igrejas fizeram uma opção pelos pobres contra sua pobreza e em favor da liberação. Lutero enfrentou tempos semelhantes de conturbações sociais e da conhecida Revolta dos Camponeses (Bauerkrieg) entre 1524-1525 que mobilizou a Europa Central e teólogos como o famoso Thomas Münzer, considerado um dos primeiros formuladores da ideia de revolução, segundo o filósofo do princípio-esperança Ernst Bloch.

         Atualizamos aqui um estudo feito há anos, pois entendemos que conserva sua vigência e nos serve como comemoração do jubilee de Lutero, lida a partir do tipo de teologia desenvolvida entre nós. Ulrich Duchrow, professor da Universidade de Heidelberg a este propósito reuniu recentemente vários estudos em três volume com o provocativo título: Warum de Reformation radikaler warden muss (Por que…

View original post mais 6.480 palavras

Nós No Cabelo – Testemunho de Maria Andrade

Esta é a minha história com os meus nós. Já passei por várias fases, já fiz de tudo um pouco para desfazer-me desses nós que pensava existir. Lembro-me bem quando menina a minha mãe nunca me deixava com o cabelo solto, andava sempre de tranças, para ela era normal, porque não tinha outra forma de “domar” aquele volume todo (foto).
Comecei a usar químicos desde muito cedo, aos 13/14 anos. Ao ver as minhas amigas todas desfrisadas, achava que cabelo bonito era cabelo liso, porque crescemos com aquela coisa que SÓ cabelo liso é que é bonito e também porque as pessoas gozavam com o cabelo no seu estado natural, chamando de “cabelo cripi”. Na altura era uma expressão muito usada comparando o cabelo crespo à massa de cimento que colocavam nas paredes das casas por fora, ou seja, um cimento duro e esta foi uma expressão muito forte que…

View original post mais 586 palavras

Áudio 163 – Violência Policial contra jovens da Cova da Moura reconhecida pelo Ministério Público

Mamadou Ba, dirigente da SOS Racismo, comenta acusação do Ministério Público noticiada pelo Diário de Notícias no início desta semana (10 julho, 2017):

“Dezoito agentes da PSP, entre os quais um chefe, estão acusados dos crimes de tortura, sequestro, injúria e ofensa à integridade física qualificada, agravados pelo ódio e discriminação racial contra seis jovens da Cova da Moura, na Amadora.

É uma acusação sem precedentes no nosso país e surge após dois anos de investigação da Unidade Nacional de Contraterrorismo (UNCT) da Polícia Judiciária (PJ) ao caso de violência policial contra seis jovens, ocorrido a 5 de fevereiro de 2015, que teve como palco a esquadra da PSP de Alfragide, que serve o bairro da Cova da Moura (…)” Continuar a ler…

Notar que referência temporal “ontem” na entrevista corresponde ao dia 11 de julho de 2017.

Entrevista com Flávio Almada (LBC), um dos jovens agredidos na esquadra de…

View original post mais 39 palavras