Lisboa Ribeirinha

Poder Comércio e Lazer, por Isabel de Castro Hneriques

Lisboa, cidade de tantos vales e colinas quantos os mitos que envolvem a sua história e as populações que a inventaram, estende-se ao longo do Tejo, no lugar onde o rio termina o seu percurso por terras ibéricas e mergulha no oceano Atlântico.

Lisboa nasceu na colina do Castelo de São Jorge, onde um povoado da Idade do Bronze deixou os seus vestígios, que cruzaram com muitas outras marcas gravadas por gregos, fenícios, lusitanos, romanos, visigodos, árabes, judeus e cristãos. Um longo caminho de gentes e de culturas, de estórias e de lendas, de deuses e de heróis que, como Ulisses o fundador mítico da cidade – Olisipo – que lhe deve o nome, construiram e reconstruiram este espaço urbano. Se os romanos, dando conta da posição estratégica da cidade desde 195 a.C., a organizaram em torno das actividades ligadas ao mar, construindo numerosos edifícios que permanecem, foram os árabes e os berberes, que a conquistaram aos visigodos e a ocuparam por volta de 714-719, assegurando, de forma irreversível, o desenvolvimento económico, comercial e cultural da cidade, a que chamaram Lisbûna.  Durante quatro séculos,  a presença muçulmana deixou no espaço da cidade, saberes, práticas, valores mouriscos, mas também patrimónios construídos – muralhas, bairros, casas e ruas labirínticas ainda bem visíveis em certos lugares da velha cidade – , fixando a densidade urbana de Lisboa e a sua vocação comercial e portuária.

Conquistada aos mouros por D. Afonso Henriques, em 1147, Lisboa adquiriu  uma nova dimensão política com a instalação da Corte portuguesa, tornando-se em 1256 a cidade- capital do reino de Portugal. Desenvolvimento comercial, aumento demográfico, novos núcleos habitacionais, muralhas, torres e cercas, palácios, conventos, igrejas, edifícios e espaços públicos destinados a diversas actividades, como armazéns, feiras e mercados, vieram a dar novo fôlego à cidade medieval, reflectindo o lugar que desempenhava, desde finais do século XIII, no comércio marítimo europeu.

A expansão marítima quatrocentista veio consolidar um já longo um processo de vocação marítima da cidade. A abertura do oceano Atlântico, as novidades descobertas, as populações encontradas e as relações estabelecidas fixararam o carácter multicultural de Lisboa que, em 1551, atingia 100.000 habitantes. O poder da cidade assentava nos laços comerciais que mantinha com outros espaços urbanos espalhados pelo mundo, nas Américas, na África, na Ásia, de onde provinham, as mercadorias cobiçadas nos mercados europeus. Ouro e prata, pedras preciosas, pimenta e outras especiarias, drogas, tabaco e açucar, madeiras, textéis e muitos escravos, a maioria africanos,  faziam de Lisboa um lugar de negócios e de riqueza, que atraía muitos e diversos mercadores oriundos do espaço europeu. O país todo rodopiava em torno de uma actividade comercial frenética que gerava dinâmicas de crescimento urbano, económico, agrícola, industrial/artesanal e movimentos populacionais intensos.

A Lisboa quinhentista e seiscentista cresceu, reconstruiu-se, renovou-se, diversificou-se, na arquitectura, na organização e gestão dos espaços, nos quotidianos urbanos, nos sistemas sociais, religiosos, técnicos, culturais, marcados pela pluralidade das gentes e das ideias que chegavam, circulavam e se fixavam na cidade. A Lisboa dos Descobrimentos transformou-se no grande centro do comércio europeu, marcada pelas construções ribeirinhas que asseguravam o poder político e económico. Do Terreiro do Paço ao Rossio, do Convento da Madre de Deus ao Mosteiro dos Jerónimos e à Torre de Belém, multiplicaram-se grandes construções, como palácios, igrejas, conventos, edifícios comerciais, mas também bairros novos, ruas, praças e espaços públicos assegurando funções diversas, indispensáveis à vida urbana. A grandiosidade arquitéctonica manteve-se durante a dominação filipina, tornando-se magnífica e faustosa no século XVII, graças ao ouro do Brasil – quer dizer, ao trabalho escravo africano -, que permitiu grandes e luxuosas construções, mas também a grande obra que foi o Aqueduto das Águas Livres, que veio permitir um abastecimento regular das águas à cidade de Lisboa.

A Lisboa da segunda metade do século XVIII ficou marcada pelo devastador terramoto de 1755. Da reconstrução da cidade, obra do iluminista Marquês de Pombal, salienta-se a Baixa pombalina, que, obedecendo a um plano urbanístico de quadrícula aberta, consagrou a centralidade do Rossio – espaço de encontro e de comércio – e do Terreiro do Paço, a Praça do Comércio, que manteve a sua vocação fluvial e a sua dimensão político/nacional.

No século XIX, o liberalismo viria a introduzir novas dinâmicas nos quotidianos da cidade, marcadas pela vertente social: a Baixa e o Chiado tornaram-se lugares de lojas, cafés, teatros, livrarias e clubes procurados pelas elites lisboetas, ao mesmo tempo que a abertura da Avenida da Liberdade, em 1879, transferiu a expansão urbana para o interior, afastando-se do Tejo, procedendo-se nessa zona da cidade à instalação de núcleos habitacionais e de edifícios destinados a assegurar o desenvolvimento industrial e comercial da nova urbe oitocentista.

A emergência e consolidação do Estado Novo, desde 1926 e até 1974, traduziu-se numa reorganização da cidade marcada pelas ideias nacionalistas de um sistema colonialista e totalitário que optou pela criação de uma Lisboa monumental ao serviço do poder: edificios públicos, novas urbanizações, grandes construções, simbolizavam o passado glorioso dos Descobrimentos portugueses, legitimando a dureza das relações coloniais e fornecendo o alimento patriótico, destinado a opacizar a violência da miséria e da opressão do regime. Se o desenvolvimento da periferia da cidade, a construção de bairros sociais, algumas importantes obras de engenharia civil marcaram as políticas relativas à reorganização da cidade, foi sobretudo a intervenção  na zona de Belém, que pôs em evidência o projecto urbano da Ditadura : a Exposição do Mundo Português (1940), junto ao Mosteiro dos Jerónimos, veio dar a conhecer aos portugueses a justeza e a generosidade das políticas coloniais do regime, perante  a selvajaria dos povos colonizados, trazidos e expostos como animais, para servirem de justificação à tão altruísta e humanitária  «missão civilizadora» dos portugueses no mundo.

O Portugal democrático, nascido da revolução do 25 de Abril de 1974 abriu as portas a uma modernização do país, que permitiu assegurar novas linhas de intervenção urbana, como a reabilitação de bairros históricos de Lisboa e a valorização dos patrimónios arquitectónico e cultural da cidade. Mas os novos imigrantes africanos continuaram a conhecer os bairros periféricos degradados e os trabalhos duros, e a confrontar-se com novas e velhas formulações de um preconceito secular, reforçado, nas décadas finais do império, pela violência da guerra colonial, que deixou marcas profundas na população portuguesa.

É neste contexto de vários séculos, de Quinhentos até hoje, que se desenvolve uma longa, constante e continuada ‘migração’ de populações africanas que, «à força» até aos finais do século XVIII, e depois «pela força » do colonialismo do fim de Oitocentos a 1974, e da globalização dos nossos dias, se foram instalando na cidade de Lisboa.

A presença destas populações sempre diferiu de qualquer outra : a maioria dos africanos não vieram de livre vontade, procurando concretizar projectos próprios como aconteceu com romanos e árabes, mas trazidos pela violência da escravatura, capturados ou comprados em África, para serem introduzidos, despojados de tudo, até da sua humanidade,  no extremo ocidental do fragmento ibérico da Europa. Durante séculos desempenharam tarefas indispensáveis, mas também as mais duras e mais desvalorizadas da sociedade. Inseridos em todos os sectores criadores de riqueza, os africanos, escravos ou livres, foram um elemento estruturante da vida urbana portuguesa.

A visibilidade da sua presença apresenta-se hoje marcada por uma grande fragilidade, não só porque a sua integração se fez no quadro das tarefas quotidianas que não deixaram as marcas das grandes obras cuja materialidade lhes permite atingir a perenidade, mas também porque, desconsideradas e rejeitadas, as populações africanas foram sempre transferidas para o espaço do desinteressante, do indesejável, do condenável. Cabe à História recuperar esses percursos das relações humanas e fornecer os elementos indispensáveis à reconstrução do passado, permitindo organizar a memória dos homens e das sociedades, esclarecendo identidades, contribuindo para resgatar conhecimentos capazes de contribuir para estruturar solidariedades, eliminar as fronteiras do preconceito, da discriminação e da exclusão, e promover diálogos inter e pluriculturais criadores de uma cultura da igualdade e da paz.

O objectivo deste Roteiro é dar a ver a africanidade de Lisboa, dispersa numa pluralidade de memórias e de vestígios imateriais e invísiveis nos dias que vivemos. A história diz-nos como foi a instalação e a vida de milhares de africanos que durante séculos participaram  no processo de construção do facto nacional. Percorrendo a cidade, munidos do conhecimento histórico, somos surpreendidos pela vigorosa presença africana que invadiu todos os espaços da sociedade lisboeta, reconstruímos uma Lisboa escondida, submersa por um preconceito secular que ainda domina o nosso imaginário colectivo, e compreendemos, com mais clareza, não só comportamentos, valores, práticas que permanecem nos quotidianos urbanos, como também as reinvenções constantes da identidade portuguesa.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s