Pára-raios na Igreja

Raquel Varela

Suzanne Daveau, notável geógrafa, esposa do magnífico Orlando Ribeiro, o nosso maior geógrafo, explicou que a vida prepara-se para as médias mas o urbanismo para os extremos. Perto de Albufeira, onde se deu a tragédia das cheias, que o ministro da tutela, especialista em direito financeiro – proteger pela plasticina imoral da lei os Bancos privados -, atribui à mão de Deus, nasceu um poeta. Um poeta que era analfabeto – António Aleixo, que permanece como dos sérios intelectuais do nosso país. Da sua autoria é este poema:
«Pára-raios na Igreja
é para mostrar aos ateus que o crente,
por mais que o seja,
não tem confiança em Deus!».

View original post

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s